Heterogeneidade Estrutural na Produtividade do Trabalho da Indústria do Espírito Santo

Edileuza Vital Galeano, Amílcar José Carvalho

Resumo


Conhecer a estrutura e o nível de produtividade dos setores de atividade da indústria é fundamental para se avaliar sua evolução e as especificidades da heterogeneidade estrutural. Os processos de desenvolvimento de um país ou região são acompanhados por mudanças estruturais de longo prazo que acompanham o crescimento econômico. A produtividade do trabalho em uma economia é fator determinante para o grau de competitividade e está associado a seu nível de especialização. Ao analisar a estrutura produtiva, muitos estudos vêm evidenciando a heterogeneidade estrutural produtiva no Brasil, a qual pode ser observada, por exemplo, nos diferentes níveis setoriais da produtividade. Neste sentido, este artigo apresenta um panorama da produtividade média do trabalho na indústria de transformação do Espírito Santo evidenciando a contribuição de cada setor para o nível de produtividade média estadual do trabalho na indústria. A estrutura produtiva evidencia níveis de produtividade média do trabalho bastante heterogêneas. No Espírito Santo a economia é muito dependente da indústria extrativa quando comparada à média nacional, principalmente dos setores de extração de petróleo e gás natural e de minerais metálicos. A contribuição destes setores para a produtividade média do trabalho da indústria Capixaba foi de 47,47%.

 

Palavras-chave: Produtividade do trabalho; Heterogeneidade; Desindustrialização

 

   Structural Heterogeneity in the Labor Productivity of Industry in State of Espírito Santo

  

Abstract

 

The knowledge about the structure and productivity level of sectors of industry activity is pivotal for evaluation of both their evolution and the specificities of structural heterogeneity. The development processes of a country and region are accompanied by previous long-term changes that accompany economic increase. The productivity of labor in an economy is a determining factor in the degree of competitiveness and is associated with its level of specialization. On this hand, this article presents an overview of the average productivity of labor in the manufacturing industry of Espirito Santo showing the contribution of each sector to the average level of labor productivity of industry. The productive structure shows heterogeneous levels of average labor productivity. In Espirito Santo, the economy is very dependent on the extractive industry when compared to the national average, especially in the sectors of oil and natural gas extraction and metallic minerals. The contribution of these sectors to the average labor productivity of the Capixaba industry was 47.47%.

 

Keywords: Labor productivity; Heterogeneity; Deindustrialization


Texto completo:

PDF

Referências


AMITRANO, C. R.; SQUEFF, G. C.; PIRES, M. J. S.; ARAUJO, V. L. Taxa de Câmbio Real, e Heterogeneidade Estrutural na Indústria de Transformação Brasileira: uma avaliação preliminar. In: Boletim Radar – Tecnologia, Produção e Comércio Exterior, n 14, Brasília: IPEA, 2011.

ARAUJO, E. S.; COSTA, K. G. V. Heterogeneidade estrutural, precarização das condições de trabalho e pleno emprego no ciclo de desenvolvimento da economia brasileira entre 2002-2011. Revista Economia & Tecnologia, Curitiba, v. 8, nr. 3, p. 5-18, jul/set 2012.

BACHA, E.; BOLLE, M. (org.). O futuro da indústria no Brasil – desindustrialização em debate, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

BACHA, E. Complicações: O futuro da indústria brasileira, Univesp TV. Entrevista concedida a Mônica Teixeira no programa Complicações da UnivespTV em Abril/2013. Disponível em: . Acesso em 15/05/2018.

BERNARDINO, F. Os desafios da produtividade brasileira. Desafios do desenvolvimento. IPEA, ano 11. Ed. 81, 2014. Disponível em: . Acesso em 15/05/2018.

CANO, W. A desindustrialização no Brasil, Economia e Sociedade, Campinas, v. 21, Número Especial, p. 831-851, dez. 2012. Disponível em: . Acesso em 15/05/2018.

CARVALHO JR, N. S.; RUIZ, R. M. Determinantes do desempenho das firmas a partir das novas capacitações internas: um estudo de firmas brasileiras. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 97-127, jan./abr. 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-98482008000100004.

CAÇADOR, S. B; GRASSI, R. A. A Economia Capixaba no Período Pós-1990: O Processo de “Diversificação Concentradora”. Economia Ensaios, Uberlândia, v. 23, p. 1-19, 2009.

CAÇADOR, S. B; GRASSI, R. A. A Situação do Espírito Santo no Início do Século XXI: Um Estado Desenvolvido e Periférico? Revista Geografares, Vitória, ES, n. 14, p. 107-132, Jun. 2013. https://doi.org/10.7147/GEO14.4105

CATELA, E. T.S.; PORCILE, G. Heterogeneidade estrutural na produtividade das firmas brasileiras. DF: CEPAL. Escritório no Brasil/IPEA, 2013. (Texto de Discussão CEPAL-IPEA nr. 55).

CEPAL (2010), “La hora de laigualdad, brechas por cerrar, caminos por abrir”, Comisión Económica para América Latina y el Caribe.

DALCOMUNI, S. M. A Implantação da Aracruz Celulose no Espírito Santo: Principais Interesses em Jogo. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Itaguaí, 1990.

DE NEGRI, F.; CAVALCANTI, L. R. (org.) Produtividade no Brasil: Desempenho e Determinantes. Brasília: ABDI: IPEA, v.1, 2014.

FAGERBERG, J. Techonological progress, structural change and productivity growth: a comparative study. Structural change and economics dynamics. Olso, p 393-411, jul. 2000.

GALEANO, E. A. V; FEIJO, C.A Estagnação da Produtividade do Trabalho na Indústria Brasileira nos Anos 1996-2007: Análise Nacional, Regional E Setorial. Nova Economia (UFMG. Impresso), v. 23, p. 9-49, 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-63512013000100001.

GALEANO, E. A. V.; WANDERLEY, L. Produtividade Industrial do Trabalho e Intensidade Tecnológica nas Regiões do Brasil: uma Análise Regional e Setorial Para os Anos 1996-2007. Planejamento e Politicas Públicas, v. 40, p. 67-106, 2013.

GALEANO, E. V. A Crescimento Econômico Regional Desigual no Brasil no Período de 1985 a 2008: uma análise conjunta dos fatores pelo lado da oferta e pelo lado da demanda. Tese de doutorado em Economia. PPGE-UFF, Niterói, 2012. Disponível em . Acesso em 15/05/2018

GOMES, R; STRACHMAN, E. O papel das multinacionais no desenvolvimento tecnológico do Brasil: políticas industriais como indutoras de catch up tecnológico. São Paulo Perspec., São Paulo,v. 19, n. 2, p. 31-40, June 2005. Available from . Acesso em 15/05/2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392005000200004.

GUEDES, P. R. A industrialização e a presença das multinacionais no Brasil – um esboço preliminar. Dissertação de mestrado em economia aplicada. FGV, 1982. Disponível em: . Acesso em 15/05/2018.

HIRATUKA, C.; SARTI, F. Transformações na estrutura produtiva global, desindustrialização e desenvolvimento industrial no Brasil. Rev. Econ. Polit., São Paulo , v. 37, n. 1, p. 189-207, mar. 2017 . Disponível em . Acesso em 15/05/2018. http://dx.doi.org/10.1590/0101-31572016v37n01a10.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. PIB Municipal 2015. Disponível em: . Acesso em: 15/05/2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Industrial Anual 2007-2015. Disponível em: < https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1849>. Acesso em: 15/05/2018.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contas Regionais 2007-2015. Disponível em: . Acesso em: 15/05/2018.

KUPFER, D.; ROCHA C. F. Dinâmica da Produtividade e heterogeneidade estrutural na indústria brasileira. Santiago de Chile: CEPAL – División de Desarrollo Productivo, set. 2004. Disponível em: . Acesso em 22/07/2014.

LEITE, L. M; MAGALHÃES, M; A. Desigualdades Intraestaduais no Espírito Santo: Uma Abordagem Espacial Explanatória. Revista de Economia, Curitiba, v. 38, n. 1 (ano 36) p. 55-92 jan./abr. 2012. http://dx.doi.org/10.5380/re.v38i1.28286

MACEDO, F. C. Integração e Dinâmica Regional: O Caso Capixaba (1960-2000). 2002. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia da UNICAMP. Campinas, 2002.

MAGALHÃES, M. A.; TOSCANO, V. N. Medindo a Concentração de Investimentos Regionais: O Caso do Estado do Espírito Santo. Planejamento e Politicas Públicas (PPP), Brasília v. 36, p. 145-170, 2011.

MAGALHÃES, M. A.; TOSCANO, V. N. Há Diferenças Entre as Pautas de Exportação e Importação do Estado do Espírito Santo? Revista Economia e Tecnologia (RET), Paraná, v. 8, n. 3, p. 85-94, jul./set. 2012. http://dx.doi.org/10.5380/ret.v8i3.29874

MIGUEZ, T.; MORÃES, T. Produtividade do Trabalho e Mudança Estrutural: uma comparação internacional com base no World Input-Output Database (WIOD) 1995-2009. In: DE NEGRI, F.;

CAVALCANTI, L. R. (org.) Produtividade no Brasil: Desempenho e Determinantes. Brasília: ABDI: IPEA, v.1, 2014.

MORCEIRO, P.C. Desindustrialização na economia brasileira no período 2000-2011: abordagens e indicadores. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

NASSIF, A.; FEIJÓ, C.; ARAÚJO, E. Structural Change and Economic Development: is Brazil catching up or falling behind? Discussion papers UNCTAD n. 211, Geneva: United Nations, oct. 2013. Disponível em: . Acesso em 15/05/2018.

NOGUEIRA, M. O.; INFANTE, R; MUSSI, C. Produtividade do Trabalho e heterogeneidade Estrutural no Brasil Contemporâneo. In: DE NEGRI, F.; CAVALCANTI, L. R. (org.) Produtividade no Brasil: Desempenho e Determinantes. Brasília: ABDI: IPEA, v.1, 2014.

PEREIRA, L. C. B. Um estudo sobre as empresas multinacionais no Brasil. Rev. adm. empres. São Paulo , v. 16, n. 1, p. 42-45, Feb. 1976. Available from . Acesso em 15/05/2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75901976000100006.

PINTO, A. Heterogeneidad estructural y modelo de desarrollo reciente de la América Latina, in: Inflación: raices estructurales, México, Fondo de Cultura Económica, 1970.

PINTO, A. Naturaleza e implicaciones de la heterogeneidade estructural de la América Latina, El trimestre Económico, v. 37 (1), 1976.

ROCHA, F. Produtividade do Trabalho e Mudança Estrutural nas Indústrias Brasileiras Extrativa e de Transformação, 1970-2001. Revista de Economia Política. v. 27 n. 2. São Paulo, abr./jun. 2007.

ROCHA, H. C; MORANDI, A. M. Cafeicultura e Grande Indústria: A Transição no Espírito Santo 1955-1985. Vitória, ES: Fundação Ceciliano Abel de Almeida, 1991.

SARTI, F.; HIRATUKA, C. Desenvolvimento industrial no Brasil: oportunidades e desafios futuros. Texto de Discussão n. 187, IE/Unicamp, jan. 2011.

SIQUEIRA, P. Industrialização e Empobrecimento Urbano: O Caso da Grande Vitória, 1950-1980. Vitória, ES: EDUFES, 2001.

SQUEFF, G. C. Desindustrialização: Luzes e Sombras no Debate Brasileiro. Brasília, IPEA, 2012. Texto de Discussão 1.747.

SQUEFF, G. C.; NOGUEIRA, M. O. A heterogeneidade estrutural no Brasil de 1950 a 2009. Brasília, DF: CEPAL/IPEA, 2013, Texto de Discussão 51.

SQUEFF, G. C.; DE NEGRI, F. Produtividade do Trabalho e Mudança Estrutural no Brasil nos anos 2000. In: DE NEGRI, F.; CAVALCANTI, L. R. (org.) Produtividade no Brasil: Desempenho e Determinantes. Brasília: ABDI: IPEA, v.1, 2014.

VASCONCELOS, L. F.; NOGUEIRA, M. O. Heterogeneidade Estrutural no Setor Industrial. In: Boletim Radar – Tecnologia, Produção e Comércio Exterior, n 14, Brasília: IPEA, 2011.

VILLASCHI (org.). Elementos da Economia Capixaba e Trajetórias do Seu Desenvolvimento. Vitória: Flor&Cultura, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Multi-Science Research

Journal Multi-Science Research (MSR). e-ISSN: 2595-6590

Rua José Alves, nº 135, Goiabeiras, Vitória, ES (Brasil). CEP: 29.075.080.